Saturday, January 10, 2009

Palavras que se rep(fl)etem

The Tyger
By William Blake

Tyger! Tyger! burning bright,
In the forests of the night,
What immortal hand or eye
Could frame thy fearful symmetry?

In what distant deeps or skies
Burnt the fire in thine eyes?
On what wings dare he aspire?
What the hand dare seize the fire?

And what shoulder, and what art?
Could twist the sinews of thy heart?
And when thy heart began to beat,
What dread hand, and what dread feet?

What the hammer? What the chain?
In what furnace was thy brain?
What the anvil? What dread grasp
Dare its deadly terrors clasp?

When the stars threw down their spears,
And watered heaven with their tears,
Did he smile his work to see?
Did he who made the Lamb, make thee?

Tyger! Tyger! burning bright,
In the forests of the night,
What immortal hand or eye
Dare frame thy fearful symmetry?
------------------------------------
O TYGRE

Tradução: Augusto de Campos

Tygre! Tygre! Brilho, brasa
que a furna noturna abrasa,
que olho ou mão armaria
tua feroz symmetrya?

Em que céu se foi forjar
o fogo do teu olhar?
Em que asas veio a chamma?
Que mão colheu esta flamma?

Que força fez retorcer
em nervos todo o teu ser?
E o som do teu coração
de aço, que cor, que ação?

Teu cérebro, quem o malha?
Que martelo? Que fornalha
o moldou? Que mão, que garra
seu terror mortal amarra?

Quando as lanças das estrelas
cortaram os céus, ao vê-las,
quem as fez sorriu talvez?
Quem fez a ovelha te fez?

Tygre! Tygre! Brilho, brasa
que a furna noturna abrasa,
que olho ou mão armaria
tua feroz symmetrya?

[CAMPOS, Augusto - "O Tygre"
In: Viva Vaia (Poesia 1949-1979)
Livraria Duas Cidades, São Paulo, 1979]

+++++++++++++++++++++++++++

O TYGRE

Tradução: José Paulo Paes

Tygre, Tygre, viva chama
Que as florestas de noite inflama,
Que olho ou mão imortal podia
Traçar-te a horrível simetria?

Em que abismo ou céu longe ardeu
O fogo dos olhos teus?
Com que asas atreveu ao vôo?
Que mão ousou pegar o fogo?

Que arte & braço pôde então
Torcer-te as fibras do coração?
Quando ele já estava batendo,
Que mão & que pés horrendos?

Que cadeia? que martelo,
Que fornalha teve o teu cérebro?
Que bigorna? que tenaz
Pegou-te os horrores mortais?

Quando os astros alancearam
O céu e em pranto o banharam,
Sorriu ele ao ver seu feito?
Fez-te quem fez o Cordeiro?

Tygre, Tygre, viva chama
Que as florestas da noite inflama,
Que olho ou mão imortal ousaria
Traçar-te a horrível simetria?


[PAES, José Paulo - "O Tygre"
In:Gregos & Baianos - Ensaios
Ed. Brasiliense, São Paulo, 1985]

Um pouco de cultura estrangeira...

William Blake nasceu em 28 de Novembro de 1757 sendo ele o terceiro filho de uma família de cinco filhos de um vendedor de Londres. Por causa da profissão relativamente clásse média de seu pai, Blake foi criado no memso estado de miséria que ele experimentou durante todo o resto de sua vida.

Quando criança ele já havia tomado gosto pela pintura e acabou sendo mandado pra escola de desenho, afinal. O jovem Willian somente a educação suficiente para aprender a ler e escrever para trabalhar na loja de seu pai.

Apesar de Blake ter recebido muito pouco de uma educação traducional ele era bem versado em literatura grega e latina, na Bíblia e em Milton.

8 comments:

conversaatrevida said...

Em que céu se foi forjar
o fogo do teu olhar?

hummmmmmmm... e aprendendo logo cedo sobre William Blake .
Sabe que homens ficam TÃO sexys quando nos ensinam algo?


Passando corrida pra te dar um beijo de BOA semana, semana BOOOOOOOA pro'cÊ

Eu vou...

Mas volto pra aprender mais.

Atrê

RICARDO ® said...

Obrigado pela visita e pelos comentários lá na minha Nau.
A K realmente é uma fonte formidável de inspiração... Acho que se eu fosse colega de aula dela, certamente teria enlouquecido. hehehe

Muito interessante os versos deste post, e também o anterior, sobre a "trepada matinal"... o famoso "tesão do xixi" hehehehehe

Apareça sempre lá em casa!
Abraço

A Outra said...

quer dizer que andas visitando meu blog? ora ora...
e no msn, nao aparece?

rsrs

bjsss

conversaatrevida said...

Para um cavalheiro (ou nem tanto...rs) tem sempre algo agridoce viu?

Com esse calor, pode ser salada?

Ingredientes
Categoria da Receita:
Saladas
Dificuldade de Preparo da Receita:
fácil
Temperatura da Receita:
frio
Rendimento da Receita:
8 porções
Tempo de preparo da Receita:
30 min

* • 1 alface crespa
* • 2 colheres (sopa) de maionese
* • 100 ml de creme de leite
* • pimenta-do-reino a gosto
* • sal a gosto
* • nozes a gosto
* • 2 kiwis
* • 1 pêra
* • 1 maçã
* • 1 cebola roxa
* • 2 tomates sem pele e sem sementes

Se tiver algum ingrediente que tu não gosta a gente JOGA FORA!...SIMPLES assim......rs

Bjão

Atrê

conversaatrevida said...

ah...os detalhes de
ngredientes
Categoria da Receita:
Saladas
Dificuldade de Preparo da Receita:
fácil
Temperatura da Receita:
frio
Rendimento da Receita:
8 porções
Tempo de preparo da Receita:
30 min

SÃO pro caso de VC querer preparar a salada pra mim tá?

Só pra constar.........rs

conversaatrevida said...

Triste cavaleiro,de que

alimentas tua insana

aventura?

Olha o mundo. O mundo

é isto: indiferença,desprezo,

risos de mofa,

um embuste em cada canto.

Por que prossegues,

tecelão de sonhos?

Que planuras teus olhos

alcançam, nesta Mancha

que te alucina de desertos

e aspereza?

De que encantamento és

escravo, em que estalagens

encontras abrigo, tu que

carregas as dores do mundo ?

Triste cavaleiro, volta para

tua aldeia, onde te esperam

claridade, ventos e solidão.

Fim de semana assim, cheio de claridade pra ver o que deseja, Bons ventos pra te levar até ela e solidão...mas por breves e contáveis minutos.

Beijo...e aproveite bem (eu trabalho...mas torço sempre pra que os outros aproveitem o FDS...rs)

Atrê

conversaatrevida said...

ah, e só pra constar (vai que alguém lê e pensa que é meu).

O poema (parte dele) é de Carlos Alberto Jales

Poema para um Cavaleiro Andante*

Bjo (o beijo é meu mesmo...rs)

Monday said...

meu caro, quase não li seu comentário, por ter sido escrito depois de outras postagens terem ocorrido ...

primeiramente, grato pela visita e comentários ... se quiser postá-los, à vontade, não me preocupo muito com essas possessivides ... portanto, se quiser, divitar-se, ainda mais porque textos comentados ficam mais ricos e provocam mais reações ...

quanto ao livro, Flagra, a editora se chama Ieditora, caso não tenha mudado o nome. como vc disse que gostaria de lê-lo, recomendo sites como submarino e livraria cultura, basta digitar o nome do livro que ele aparece lá ... e grato pela preferência ...

no seu post, me chama a atenção, mais que tudo, como traduções podem mudar de pequenos detalhes a muita coisa ... basta dois estilos diferentes ou o nosso próprio inglês aprendido pelas escolas da vida ...

seja como for, tigre sempre será Tigre ... lindo demais esse bicho!

a gente vai se vendo por esses prados ...